O que é bondade? - Centro Universitário do Rio Grande do Norte - UNI-RN
  • Home
  • Núcleos
  • O que é bondade?

O que é bondade?

José Saramago (1922-2010), um dos melhores escritores mundiais, único prêmio Nobel de Literatura na língua portuguesa, transmite, na sua obra, a preocupação por um futuro melhor para a humanidade, sob a égide de mudanças da própria sociedade, a qual precisa ser mais voltada para o amor ao próximo. Conforme Saramago, não é a literatura que pode conduzir para esse caminho de um mundo mais feliz, menos desigual e mais fraterno, nem tampouco o padrão cultural, científico ou social de qualquer pessoa. O escritor Valter Hugo Mãe, no prefácio do livro “José e Pilar”, assim se expressa sobre esse recorrente olhar inclusivo que permeia a obra de Saramago: “Não está nunca em causa entreter o leitor no sentido quase leviano de lhe fazer passar o tempo, está em causa a proposta de um engrandecimento que, permitindo uma dimensão lúdica, passa pela maturação dos sentimentos e um exigente exercício de cidadania”.

Permitam-me contar uma simples passagem que ocorreu comigo, a qual teve profunda repercussão nas minhas reflexões sobre o mundo e sobre as vidas das pessoas. Cerca de três ou quatro dezenas de anos atrás, em uma manhã de domingo, levava minha família, minha esposa e os filhos ainda crianças, com destino à praia de Pirangi do Norte.  No percurso, parei o carro para comprar alguma coisa que as crianças pediram, e, ao me preparar para prosseguir, um menino, com idade por volta dos sete anos, pediu-me uma esmola. Apesar do hábito de sempre atender a esses pedidos, a esmola foi negada por falta de dinheiro trocado para esse tipo de “ato caridoso”(?). A pobre criança estava com um boné surrado na cabeça e com uma camiseta bem suja e rasgada. Naquele instante, deu-se o pior: o menino pediu-me para levá-lo até alguns metros adiante, e recebeu o segundo não. Dei partida no carro, mas logo parei e olhei pelo retrovisor, como se fosse um alerta que recebi por uma ação errada, ou seja, um lance de remorso. Olhei e vi o menino, que, lá de trás, gritou: “Bicho rim, bicho rim!” E saiu a caminhar no sentido oposto.

Tantos anos já se passaram e não esqueço aquele momento que ficou gravado para sempre na minha lembrança. O pobre menino não se conformou com os dois não recebidos, sem entender o gesto injusto do qual fora vítima. Aliás, sua reação foi mais a um ato pessoal, súbito, pois ele não tinha a ideia bem mais ampla da injustiça geral que a vida lhe impunha. A partir daquele prosaico evento, do qual eu não esqueço, assumi uma visão mais crítica, sobre o sentido da bondade e da maldade humana. Todas as vezes que me deparo com esse tema, no intuito de julgar pessoas, ou ações praticadas, quanto a serem mais ou serem menos bondosas, inclusive no tocante a mim próprio, passei a ter mais cuidado na conclusão a chegar. 

Poucos dias atrás, assisti a um debate no UNI-RN, no fórum Direito e Literatura, com a palestra da ex-aluna Beatriz Pereira Caldas Medeiros, um ótimo e brilhante estudo acerca do livro “Ensaio sobre a Cegueira”, de José Saramago. Além de muito auferir das ideias e conclusões da palestra, pude partilhar com os presentes, alunos e professores, o ideal de Saramago de sonhar com um mundo melhor: “A bondade no ser humano é, na maior parte dos casos, uma questão de interesses próprios. Só em casos raríssimos é efetiva generosidade e bondade real”.

Daladier Pessoa Cunha Lima

Reitor do UNI-RN



Utilizamos cookies para assegurar que lhe fornecemos a melhor experiência na nossa página web.

Política de Privacidade Ver opções