Honras ao livro (2) - Centro Universitário do Rio Grande do Norte - UNI-RN
  • Home
  • Núcleos
  • Honras ao livro (2)

Honras ao livro (2)

Não se sabe precisar, mas, por volta de 4000 a.C, os seres humanos aprenderam a escrever. Cerca de um milênio depois, surgiram os hieróglifos egípcios, enquanto a escrita alfabética chegou em torno de mil anos antes de Cristo. Para alguns pesquisadores, a invenção da escrita foi o avanço tecnológico mais significativo da história da humanidade. No entanto, os escritos precisavam ser guardados, as ideias criadas careciam de vencer o tempo. Porém, como escrever e guardar? O homem, então, descobriu que tiras do caule de algumas plantas poderiam servir de base para seus manuscritos, e esse arranjo foi chamado de papiro, que deu lugar ao pergaminho feito de pele de certos animais, portanto, uma base mais firme e mais duradora. Tanto o papiro quanto o pergaminho não tinham o formato de páginas sucessivas, e eram longas folhas guardadas em forma de rolos. Assim, veio a necessidade de preservar essa preciosa dádiva, e surgiram as bibliotecas, o lugar onde os papiros e os pergaminhos ficavam, a fim de servirem para leituras eventuais, além de garantirem a evolução do saber ao longo do tempo. 

A principal biblioteca do mundo com esse tipo de material foi a de Alexandria, maior  guardiã cultural da Antiguidade, um tesouro que existiu alguns séculos antes e depois de Cristo, destruído por incêndios nunca elucidados. Por volta do século III d. C., pouco depois de os chineses descobrirem o papel, ficou fácil o uso do códice, ou seja, as folhas desse produto passaram a ser reunidas em páginas presas umas às outras, as quais poderiam ser lidas em sequência com seus textos manuscritos. O códice, portanto, foi grande passo para um dos maiores inventos da humanidade: o livro. Esse avanço foi crucial para a difusão da Doutrina de Cristo. 

A escrita passou a ter mais fluidez, surgiram parágrafos, capítulos e sumários, além de outras vantagens para uma boa leitura. Na década de 1450, uma revolução ocorreu no mundo dos livros, quando o alemão Johannes Gutenberg inventou a prensa de tipos móveis. A máquina impressora de Gutenberg  tornou possível a produção de livros, ou de qualquer impresso, em grandes séries. Os tipos móveis metálicos deram velocidade ao processo de impressão em um grande número de cópias. Por cerca de cinco séculos, os princípios da prensa móvel permaneceram os mesmos, com raras exceções, e houve a expansão dos livros, da leitura, da ciência e da educação. Foi a época de grandes avanços humanos, haja vista o Renascimento, o Iluminismo, e Revolução Industrial, o florescer dos Direitos Humanos, entre muitos outros. Somente na década de 1990, a gráfica de tipo móvel começou a perder sua majestade, diante da Internet.

Quando se olha para a história do livro, notam-se as diferentes velocidades das mudanças: da invenção da escrita ao códice passaram-se 4.000 anos; do códice aos tipos metálicos de Gutenberg, foram 1.300 anos; Da prensa móvel à Internet, decorreram cerca de cinco séculos. Depois da internet, as mudanças passaram a ser super-velozes: da Web aos buscadores, foram 17 anos, e destes ao algoritmo avançado do Google, somente seis. Hoje, o conhecimento está à disposição de todos, em tempo real, mas o livro, tanto digital quanto em papel, continua a ser a fonte mágica do saber humano. 

Daladier Pessoa Cunha Lima

Reitor do UNI-RN

Utilizamos cookies para assegurar que lhe fornecemos a melhor experiência na nossa página web.

Política de Privacidade Ver opções